Crescer Com Colo

Grupo de Trabalho Psico-Corporal com Grávidas, Bebés e os seus Pais

O feto possui uma psique própria?

 

A Dra. Alessandra Piontelli, psicanalista italiana, acompanhou, durante vários meses, 11 fetos: quatro gestações gemelares e três singulares, a partir da 16ª semana de gravidez.
Dentre as gestações gemelares, observou, através do ultra-som, cinco a seis vezes ao mês, um caso de gémeos dizigóticos ou bivitelinos (formados por dois ovos distintos), uma menina e um menino. Seguindo-os por vários meses, familiarizou-se tanto com o feitio deles que foi capaz de descrever à mãe qual seria o comportamento de ambos, após o parto.
Na ecografia, observou que a menina era expansiva, buscava o contacto com o irmão, mas este retraía-se e enfiava a cabeça na placenta ou tapava o rosto com as mãos, fugindo dela. Com base nesse comportamento, a Dra. Piontelli previu que a menina seria agitada, nervosa, enquanto que o irmãozinho seria de temperamento retraído e acanhado. Para espanto da mãe, após o nascimento, tudo se confirmou: realmente ele era do tipo quieto e a menina mais irrequieta.
Com suas observações, a psicanalista aclarou muitos aspectos da personalidade dos fetos observados durante as suas pesquisas, antes mesmo do nascimento. Via-os chupando o dedo, espreguiçando-se, esfregando os pezinhos e as mãozinhas, coçando-se, enfim, aproveitando a liberdade de movimentos dentro do líquido amniótico. Cada feto apresentava um comportamento muito próprio, tinha o seu feitio. A Dra. Piontelli assinalava o traço marcante de cada um, se era calmo, nervoso, pensativo ou se trazia, por exemplo, a característica de uma bailarina. Ela acompanhou-os não apenas durante o período pré-natal, mas também no decorrer do primeiro ano de vida e muitos até completarem cinco anos. E pôde constatar que o padrão de comportamento se confirmava em todos os casos, no decorrer do seu desenvolvimento. Verificou-se que, cada feto, assim como cada recém-nascido, é um ser altamente individualizado. Não é de modo algum uma tábua rasa, como se poderia supor, esperando ser moldado, exclusivamente pelo meio ambiente. Tem vida emocional própria: experimenta prazer e desprazer, dor, tristeza, angústia ou bem-estar e tem um relacionamento intenso com sua mãe, sendo capaz de captar os seus estados emocionais e sentir quais os sentimentos de afectividade dela em relação a ele. (livro De Feto a Criança)


Outra experiência interessante que demonstra a existência da individualidade própria do feto foi realizada em 1982, por Anthony DeCasper, pesquisador norte-americano: ele instruiu um grupo de mulheres grávidas para que lessem, em voz alta, cinco semanas antes do parto, determinada história infantil. Três dias após o nascimento, duas histórias foram lidas aos bebés: a que eles já conheciam, desde o final da gestação, e uma outra desconhecida. As reacções foram medidas através do número de sucções do bebé. Verificou-se que eles sugavam com mais frequência, quando ouviam a história conhecida.


Os problemas psicológicos ocorridos na fase pré-natal afectam a vida ultra-uterina. A Dra. Myriam Szejer, psicanalista de bebés, tem importante casuística de suas “conversas” com recém-nascidos, que demonstram o valor terapêutico no alívio e na solução desses conflitos. Um dos casos, relatados no seu livro Palavras para Nascer, é particularmente doloroso. Numa gravidez gemelar, havia uma malformação muito grave numa das gémeas. Segundo prognósticos médicos, ela poderia nascer, mas teria um curto período de sobrevivência. Como na França, país em que a Dra. Szejer vive, o aborto é legal, os médicos aconselharam aos pais a interrupção in-útero da vida do feto. Uma vez aceite a sugestão, a interrupção foi feita, tardiamente, tendo o feto morto permanecido no útero até o nascimento da irmã, o que se deu, por cesariana, 15 dias depois. Mas, tal como previra a Dra. Szejer, a gémea sobrevivente, de nome Léa, teve sérios problemas, logo após o nascimento: não se alimentava e quando era amamentada à força, regurgitava sem parar, colocando em risco a própria vida. Os problemas eram óbvios para a psicanalista: Léa tinha atrás de si vários meses de companheirismo com a irmã gémea, e esta, de repente, ficara inerte, desaparecendo depois, completamente, do seu contacto. Foi preciso um trabalho muito intenso da Dra. Szejer, muitas conversas com Léa, até que a recém-nascida conseguisse se recuperar do luto da irmã, aprendendo a mamar sozinha, e em grande quantidade, para finalmente ganhar peso e alta hospitalar duas semanas depois.


Um caso interessante para demonstrar também o psiquismo independente do feto é o narrado por Thomas Verny e John Kelly no livro A Vida Secreta da Criança antes de nascer, que influenciou especialistas em muitos países, inclusive o Brasil.
…Verny conta o caso do bebé Kristina, que lhe foi relatado pelo Dr. Peter F. Freybergh, professor de obstetrícia e ginecologista da Universidade de Upsala, na Suécia. Kristina era um bebé robusto e comportado que revelou um estranho comportamento: recusava-se a mamar no seio da mãe. Aceitava o biberão ou o seio de outras mães, mas não queria nada com o alimento materno.
O Dr. Peter, indagando da mãe a razão de tal comportamento, recebeu um “não sei” como resposta. Ela dizia não saber o motivo. Quando, porém, o Dr. Peter foi mais incisivo na pergunta: “Mas você desejava realmente esta gravidez?”. Ela esclareceu: “Eu queria abortar, mas meu marido desejava esta criança, então, mantive-a”.
“Isto era novidade para o Peter, mas obviamente não o era para Kristina”, comenta o Dr. Verny. E acentua: “Ela havia percebido há muito tempo a rejeição de sua mãe e recusava-se a formar a ligação com esta, após o nascimento. Afectivamente rejeitada no útero, Kristina, com apenas quatro dias de vida e inteiramente dependente, estava firmemente decidida a rejeitar a sua mãe”.
Concluindo: “É provável que, com tempo, amor e paciência, a mãe de Kristina ganhe, de novo, a afeição da criança. Mas esta já existiria se a ligação tivesse sido formada antes do nascimento”.
Como e quando Kristina “soube” da rejeição? Os pesquisadores não têm, ainda, todas as respostas. Sabe-se, no entanto, que, desde o zigoto, existe a comunicação fisiológica ou biológica intensa, entre os dois seres, intermediada por hormónios, neurotransmissores, substâncias do sistema de defesa, etc. tudo devidamente registrado pela extraordinária capacidade de memorização do embrião, desde a formação da célula-ovo.


Por esses e outros dados, a Dra. Joanna Wilheim afirma, com justa razão: “Se conceituarmos inteligência como a capacidade para auto-gerir-se mentalmente; adaptar-se e adequar-se a situações novas; seleccionar condições e aproveitar experiências – o que implica aprendizado e memória -, podemos concluir que de facto elas estão presentes no feto desde o período inicial da gestação”. (ver também o livro O que é a Psicologia Pré-Natal)

 

 

Dr.ª Marlene Nobre, presidente da Associação Médico Espírita do Brasil